15/03/2010

Ah, mas são rosas.



"Toda a manhã procurei uma sílaba.
É coisa pouca, é certo: uma consoante, uma vogal, quase nada."
Eugénio de Andrade, in A sílaba.


Ele ofereceu-me flores. Conhecemo-nos há uma semana e ele já me oferece flores. Flores para uma flor – rosa, na precisão que assiste à sua limitação criativa. Rosa vermelha, nas identidade pessoal e contrariedade do tom carnal com que ah... ah... acedo ao definhar irreversível da natureza pejada nos meus braços.

Vil criatura masculina, aquela que se desvaloriza no gosto ante o estereótipo floral. Pois que nas suas rosas não subscrevo essência feminina nem laivos de pureza ou romantismo associados. De igual estima a ah... ah... aptência pela sensualidade e arrebatamento em mãos cobertas de orquídeas.

Selvagem, quero-te ser: despida e sem espinhos!

Enquanto preparo merecido leito para a natureza morta, ah... ah... arde em mim elixir da verdade que entranho sem expelir. Porque afinal, ele ofereceu-me flores. Conhecemo-nos há uma semana e esta doce criatura já me oferece flores. Talvez um dia lhe conte da minha bela ah... ah... alergia às flores.

Com a vossa licença.

Ah... ah... atchim!!

12 comentários:

Anónimo disse...

Como sempre muito bem escrito...pena essa alergia...
um bj sem pólen.
dolce
RS

Nati Caetano disse...

Olá Blogadinha!
Muito obrigada pelo seu comentário
no meu blog.
Vim aqui e adorei o seu.
As flôres não falam mas exalam a beleza e o cheiro do seu perfume.
Gostei muito do seu post e o conteúdo
das suas páginas.
Um feliz dia para você.
Abraços...Nati
Ah..postei mais uma poesia.
Não vim antes pois estava resolvendo problemas pessoais.
Até mais!

eco disse...

eu também tenho uma alergia cronica a rosas. penso que tenha sido uma daquelas ideias inatas que controem a minha sombra, não sei, mas rosas... a rosa é uma flor demasiado ordinária.

eco

rhcastelobranco disse...

Muito bom seu blog!
Gostaria de convidá-la a seguir o meu!
http://literaturasdomundo.blogspot.com/
Bjos

Jorge Lynce disse...

O último ramo de flores que ofereci acabei por levar com ele na cara, o mais grave é que eram rosas...a partir daí só ofereço flores aos mortos, no mínimo, tenho a garantia que não me são devolvidas.

I disse...

Muito giro!

Sun Melody disse...

Fascinante a forma como escreves e cativas em palavras corridas que dançam no desassossego da alma prestes a querer cantar!

LINDO

Beijo
Sun Melody

Anderson Fabiano disse...

então, lhe trago carinho... rsrsrs do outro lado do mar...
torcendo para você não ser alérgica. rsrsrs

meu carinho, rsrs
anderson fabiano

http://amo-sim.blogspot.com
http://letras-profanas.blospot.com

Blogadinha disse...

RS, um mal menor comparado com a boa intenção. Beijo.

Nani Caetano, a presença não se cobra - agradece-se. Grata pela tua e generosidade no seguimento. Beijo.

Eco, e toda uma natureza rica em diversidade à nossa espera... e de quem acerte no gosto. :)

Jorge Lynce, reserva a garantia para quando chegares ao Paraíso. Nas devoluções, nunca se sabe... lol (brincadeira).

Anderson Fabiano, os títulos já são promissores por si só. Por lá tossirei! Perdão, navegarei... :P
Um abraço.

Blogadinha disse...

AOS BLOGUES RECÉM-CHEGADOS:

rhcastelobranco,
grata pelo convite.

I,
agradeço e retribuo.

Sum Melody,
almas como a tua dão sentido a cada dança minha. Obrigado.


: BEM-VINDOS!!

Å®t Øf £övë disse...

Blogadinha,
Há realmente por aí criaturas que facilmente caem em estereótipos, e depois as consequências nem sempre são as melhores.
Como eu gostei deste teu texto.
Bjo.

Blogadinha disse...

Art of Love, consequência previsível e conforme ao impulso. Bjo