03/12/2010

Momento


           «Há uma Primavera em cada vida:

           É preciso cantá-la assim florida,
           Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!»

           Florbela Espanca, in Amar




Enya é corpo quente na desgarrada do amor. Quentes as voltas inteiras, os versos apunhalados e as rimas choradas a rir – voltas estranhas até ser inteiro o verso entranhado por rimas de amor. Enya. Corpo quente em aroma de rosas secas. Viaja nele, clandestinamente e sem disfarce. Sid inspira-a e exala de si ventos impulsivos, intensos. Poema rasgado no penúltimo verso. Punhal. Enya é corpo e a sua alma perfume. Sem rima nem pesar. Voltas estranhas, apenas. Desgarrada do amor, a roseira que lhe consome entranhas e tempestade em arte plagiada. Enya é riso e Sid pétala sem direitos de autor – versos inteiros em desafio condenado. Punhal: carnal, aromatizado e poético. Respiração.

7 comentários:

Cat disse...

Oh que bonito texto querida : d *

DE-PROPOSITO disse...

Corpo quente
--------
Nada nos garante que, apesar de corpo quente coração não esteja frio!
--------
Felicidades
Manuel

CarMG disse...

Amor-suave. Amor-paixão. Amor-punhal. Amor-respiração.
É tudo, sim!
Que consuma sempre e muito!

I disse...

O amor por si só é já um crime passional!

Blogadinha disse...

DE-PROPOSITO
De igual modo um coração quente que comporte um corpo frio - nada é garantido senão o momento. Felicidades! :)

Cat - CarMg - I
A bem da criminalidade... :P
Obrigado pela vossa generosidade.

Sofia disse...

Uma canção cá de dentro, como o som do mar e do vento. Uma canção de encher os pulmões, de soprar sem pressa, de entoar, de rasgar... Um punhal no ar, contra o vento. Uma rosa a ondular viva no mar.
Os teus textos estimulam os sentidos :-)

Blogadinha disse...

Sofia
Os rascunhos são mero exercício - a beleza do sentimento está na vossa natureza. Obrigado pela poesia. (En)cantei! :))