17/04/2010

Chamar a música



"Sou transparente. Ninguém me vê."
Alexandre Malafaya



Pé ante pé, música que tomamos de assalto ao cantautor. Ora em cima, ora ao lado... Ora em cima e por todo o lado, uma esquadria que desenha em nós emoção abstracta em crescendo. Num pé a razão, no outro a desobediência. Sobre ambos a música que nos compromete num abraço apertado, sem nunca nos ter pertencido.

Pé ante olhar mútuo, o primeiro refrão. Nos teus lábios uma declaração encriptada pela distância e no pensamento, charme tanto que saracoteias pelo pavilhão em passo inseguro mas inabalável, que a vida não te premeia o ridículo nem te promete o amanhã.

Do refrão ao encore, coração que bombeia notas soltas e com elas pinta fora da esquadria estabelecida. Ora em cima, ora ao lado... Ora um abraço vazio que, na desobediência à razão, decifra um convite sem que a dança me pertença.

Bis, bis – ou a ilusão dos momentos repetíveis, a pedido. Abandono tal concerto em pensamento, ao sabor de um último acorde: nunca se ama alguém que nos oferece uma canção roubada. Roubar é acto desafinado. Muito desafinado.

13 comentários:

Lynce disse...

Pois é! Só o Sócrates tem o direito a "desafinar" e ninguém leva a mal. É uma chatice!
A última vez que roubei, foi um beijo, mas a coisa correu tão mal que levei um palmadão com força tal que ainda hoje me dói o maxilar direito.

I disse...

Gostei dessa metáfora (será?) da canção roubada!

Blogadinha disse...

Lynce, segue o verso do grande Palma: "a liberdade é uma maluca que sabe quanto vale um beijo"!

I, será...? ;)

M disse...

Já tinha saudades de te ler, adorei.
bjs

medeixagozar@ disse...

Adorei o post :))

Bjs,
http://medeixagozar.blogspot.com/

Lynce disse...

Pois, pois...por seguir os versos do Palma é que tenho tido alguns contratempos e um ou outro hematoma, coisa sem importância.

Alberto Marques disse...

São notas harmônicas e palavras não ditas. Belo texto.

Blogadinha disse...

M, saudades na resposta! :)

Lynce, ninguém te tira o prazer da tentativa, não será? Melhor sorte para a próxima. :)

me deixa gozar e Alberto Marques, palavras que ficam por dançar. Obrigado pelas vossas. Bem-vindos ao blogue!

eco disse...

muito desafinado mesmo.
magnifico.

eco

lynce disse...

Ninguém me tira o prazer da tentativa, mas tiram-me o prazer de andar com cara sem hematomas, ou pensas que a coisa não dói, humm?
Também me saíste cá uma amiga...vai lá vai, com amigas como tu não preciso de inimigas.

Blogadinha disse...

eco, sem dúvida! Obrigado

Lynce, se dói é sinal que estás vivo... [:P] Aprende com as notas, um dia, quando menos esperares, acertas na melodia!

Å®t Øf £övë disse...

Blogadinha,
Eu não preciso chamar a música, porque ela acompanha todos os meus passos.
Bjs.

Blogadinha disse...

Art, o caminho é sempre mais prazeiroso quando acompanhado pela melodia certa. Bjo :)