23/04/2011

Breathe



"Apaixona-te pela tua existência."
Jack Kerouac


No pulmão esquerdo do mundo, ninguém nasce só para a vida. Sabemos as cor do grito e matéria de que somos feitos. Sonhamos a alternativa, vivemos a realidade. Conhecemos o nosso próximo em circunstância instantânea ou por intermédio máximo de cinco olhares. Somos um somatório de vivências e de experiências várias.

No pulmão direito do mundo, ninguém morre só na vida. Não sabemos porque estamos, no momento. Podemos sonhar a realidade ou viver a alternativa. Encerramos gerações perdidas no tempo e somos tempo nas histórias que tomarão o nosso lugar. Cruzamo-nos em vivências. Encontramo-nos na memória.

A vida é então uma curta viagem sem retorno que empreendemos juntos. Como números sorteados na continuidade do ciclo: nascemos e morremos num só corpo. Perdidos no trajecto, bebemos da nossa luz interior e partilhamos da fonte com a humanidade. Porque o que de melhor levamos do mundo são... os outros. Nós. A respiração.


________________________________________
Aos leitores, votos de Feliz Páscoa!

15 comentários:

Von disse...

Não fora o uso de drogas e por fim o alccol e Kerouac não teria falecido tão precocemente. Tenho alguns livros dele que guardo religiosamente.

H A R R Y G O A Z disse...

Happy Easter!

Fábio Paulos disse...

Boa Páscoa :)

Antonio José Rodrigues disse...

"O meu passado é tudo quanto não consegui ser. Nem as sensações de momentos idos me são saudosas: o que se sente exige o momento; passado este, há um virar de página e a história continua, mas não o texto."

Fernando Pessoa

Beijos, menina inteligente

I disse...

O que me mergulhou na razão pela qual passo por aqui foi: "ninguém morre só na vida". Morremos e renascemos tantas vezes e de tantas formas, por inteiro, aos pedaços, por asfixia ou de adrenalina... Boa Páscoa cheia de palavras novas!

Lina disse...

Inacreditáveis, os locais onde encontramos oxigénio...

CarMG disse...

Pena a vida ser tão curta, é o que acho... com retorno ou não (acho que o não ganha), ainda bem que o empreendimento é em conjunto, pelo menos para alguns!
E o melhor, sim, são os outros connosco :)

Blogadinha disse...

Caríssimos,
Nenhum coração é uma ilha - somos vivência comum em demanda presente, por mais involuntário o estado d'alma. O texto é rasurado, pedaçado e renascido. Nosso... com os outros. Sem direito a revisão nem última folha. Respiramos, logo vivemos. Porque sim, a vida é curta.

Carpe diem!
Grata pelos vossos comentários.

Amanda Lemos disse...

Muito interessante o blog !
Deixo o meu aqui caso queira dar uma olhada, seguir...;

www.bolgdoano.blogspot.com

Muito Obrigada, desde já !

S* disse...

Texto inspirador... somos múltiplas personalidades, múltiplos mundos.

Anderson Fabiano disse...

Bom dia, menina dos textos sensíveis!

Sabe, ter um pouquinho mais de chão sob os pés tem lá suas vantagens. rssssssss

Sou contemporâneo de Kerouac. Vivemos (dividimos) uma mesma época de descobertas e revelações.

Enfrentamos desafios parecidos, ainda que por meios e em terras distintas. E, cada um a seu jeito, aprendemos a nos ler.

Adorei a iniciativa de resgate que você deitou em sua página.

Parabéns! (uma vez mais.

Meu carinho,
Anderson Fabiano

PS: Não é do meu feitio, mas, como você resgatou Kerouac, caso sobre um tempinho por ai, dá uma passaada em http://anderson-fabiano.blogspot.com/. Adoraria ouvir sua opinião.

A. F.

H A R R Y G O A Z disse...

Have a SUPER weekend !

DE-PROPOSITO disse...

Somos um somatório de vivências
----
São as vivências da vida que formam os sábios.
----
Felicidades
Manuel

Sus disse...

Somos um fim e um recomeço em cada madrugada da vida.
E ficava-me pela frase inicial de J. Kerouac, vale a pena nos apaixonarmos por nós a todo os minutos que o relógio vai contando em direcção ao futuro...

Beijocas

Blogadinha disse...

>>Amanda Lemos, bem-vinda!
>>Anderson Fabiano, opinado!

A ambos e aos demais comentadores, aquele abraço e apreço pelas vossas palavras - obrigado!